terça-feira, 19 de agosto de 2014

Por quê? (346) – Didática, a bola da vez.


Cláudio Amaral

No primeiro semestre de História, no início de 2013, me apaixonei por Teoria da História, disciplina que nos era ministrada na FMU pela Professora Yara Gabriel.

No segundo, também em 2013, minha paixão ficou dividida entre Psicologia da Educação e História do Brasil Colonial, uma ensinada pela Professora Denise Canal e outra pela Professora Silvia Siriani.

No terceiro, já neste ano de 2014, me encantei profundamente pela História da Arte e pelas aulas do Professor André Oliva Teixeira Mendes.

Neste quarto semestre, que começamos a estudar no dia 1º de agosto, estou encantado pela disciplina da Professora Bernardete Carbonari: Didática.

Já tivemos – meus colegas e eu – três aulas com ela e, particularmente, senti uma atração especial e crescente pela matéria a cada aula.

Na terceira aula, nesta terça-feira (19/08/2014), o tema principal foi cativante. Na primeira parte, a Professora Bernadete completou as explicações iniciadas na aula anterior, a propósito das leis que nortearam a Educação no Brasil. Em seguida nos explicou como fazer a síntese de um texto, dizendo ser importante, pela ordem, ler a íntegra, contar os parágrafos, marcar as palavras-chave e só depois, se for o caso, grifar o que julgarmos mais importante. Por fim vem a síntese propriamente dita.

E foi o que fizemos, todos os alunos da classe 307 do prédio 7 da Rua Fagundes, na Liberdade, São Paulo, com o texto 1 da nossa apostila, ou seja, com a Introdução ao livro Didática e teorias educacionais, escrito pelo filósofo e escritor Paulo Ghiraldelli Jr.

A síntese de minha autoria, elogiada pela Professora Bernadete Carbonari, ficou assim:

O objetivo principal deste texto (de Introdução à Didática e Teorias Educacionais) é nos explicar o que é didática. E o autor (Paulo Ghiraldelli Jr.) explica com a seguinte definição:
- Didática é a “arte de ensinar” ou “estratégias e técnicas de ensino” ou ainda, mais sofisticadamente, “organização e otimização de processos de ensino-aprendizagem”.
O autor cita o pastor luterano J. A. Comenius, que disse, em 1630, em “Didacta magna”, que didática é a “Arte de ensinar tudo a todos”.
Para Paulo Ghiraldelli Jr., o autor desta “Didática e teorias educacionais”, “uma pessoa com didática é alguém que ‘sabe dar aula’ ou que ‘explica bem um determinado assunto ou, mais sofisticadamente, alguém que, em circunstâncias diversas, ‘sabe organizar e otimizar processos de ensino-aprendizagem”.
Ghiraldelli se dirige diretamente a professores e educadores e destaca, por exemplo:
- O que pretendo é mostra como considero “o campo de saberes necessários àqueles que estudam educação tomado como didática”.
O autor cita outro, Richard Rorty, para explicar que “a verdadeira didática… deve muito à capacidade geral de se dispor para o outro, na troca de olhares e ‘cotejamento’ entre educador e educando”.
Ghiraldelli faz questão de comentar que fez “uma dedicatória genérica”, mas dirigida diretamente “para os professores que amam a liberdade”. E em seguida explica a razão do termo “liberdade”, dando uma cutucada, fazendo uma crítica à “Ditadura Militar”, lembrando com aparente tristeza, que “ainda encontro professores cultuando a ‘ígualdade’” e esquecendo “da liberdade”.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968, Mestre em Jornalismo para Editores pelo IICS/SP (Turma de 2003) e estudante de História na FMU/Liberdade/SP desde 1º. de fevereiro de 2013.


19/08/2014 21:56:02

Nenhum comentário: