quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Por quê? (270) Preparado para o Natal




Cláudio Amaral

Você se sente preparado para as comemorações do Natal?

Pois saiba que eu jamais me senti tão bem quanto agora, após ler Natal – A humanidade e a jovialidade de nosso Deus, escrito por Leonardo Boff e editado pela http://www.vozes.com.br/.

Trata-se de um livro que comprei na Livraria Paulinas da Rua Domingos de Moraes, quase no Largo Ana Rosa, na Vila Mariana, aqui em São Paulo.

Adquiri no dia 24/11/2011 e terminei de ler hoje (21/12/2012), enquanto fazia fisioterapia para cura de uma tendinite no ombro direito.

Por meio deste livro – na verdade, um livrinho de 104 páginas, incluindo 12 ilustrações – aprofundei meus conhecimentos sobre minha religião, a Católica Apostólica Romana. E, claro, a respeito do Natal.

Em apenas quatro capítulos – O projeto de Deus: fazer-se pessoa humana, O projeto do ser humano: fazer-se Deus, Jesus Cristo: encontro de Deus e do ser humano e Para-liturgia para bênção do presépio – tomei conhecimento de temas como Não pode haver tristeza quando nasce a vida, O Filho assumiu um homem concreto, Jesus de Nazaré, Que significa a humanidade de Deus para nós?, O Filho assumiu de alguma forma todos os seres humanos, O Filho assumiu de certo modo todas as coisas, O ser humano (está) à procura de Deus, O cosmos em movimento para Deus, Jesus Cristo: o Deus encontrado na carne, O divino do ser humano, O humano de Deus, Jesus Cristo: sacramento do encontro de Deus e do ser humano, Um novo tipo de poesia e lirismo divino, Mensagem em nome dos anjos, Mensagem em nome dos seres humanos (pastores), Mensagem em nome das criaturas de natureza, O celebrante incensa o presépio e Oração do celebrante.

As frases que mais me marcaram em Natal foram, por exemplo:

- Natal! A esta palavra está ligado todo um universo de símbolos: a vela, as estrelas, as bolas resplendentes, o pinheirinho, o presépio, o boi e o asno, os pastores, o bom José e a Virgem, o Menino repousando sobre palhas. Eles constituem o eco do maior evento da história: a encarnação de Deus. Nasceram da fé e falam ao coração. Hoje, entretanto, estes símbolos foram capturados pelo comércio e apelam para o nosso bolso.

- Apesar de toda a profanização, o Natal guarda ainda sua sacralidade inviolável, sacralidade que é aquela da própria vida.

- Toda vida é sagrada e remete para um mistério sacrossanto. Por isso todo atentado contra a vida é uma agressão ao próprio Deus.

- Na vida do Menino a fé celebra a manifestação da própria Vida e a comunicação do próprio Mistério.

- A intuição desta profundidade não foi perdida na nossa sociedade secularizada.

- Em razão disso o Natal é mais do que todos os seus símbolos manipuláveis; é mais rico do que todos os mecanismos do consumo.

E tem mais, muito mais ensinamentos, no livro de Leonardo Boff:

- O Natal não nos revela apenas o sentido último da vida, a divinização, e o sentido último da auto-entrega de Deus, a encarnação. Ele nos traz também alegria porque tudo nesta noite anunciada se iluminou. Revela-nos uma nova face de Deus e nos dá a conhecer um novo tipo de poesia e lirismo divino.

Você quer mais? Se realmente quiser, compre e leia Natal – A humanidade e a jovialidade de nosso Deus. Estou certo de que você não se arrependerá.

Por quê? Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968.
21/12/2011 19:42:35

Nenhum comentário: