segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Por quê? (313) Perdão, Senhor!



Cláudio Amaral

Hoje, Natal de 2012, é dia de pedir “Perdão, Senhor”.

Perdão, Senhor… pela minha impaciência para com os meus semelhantes.

Perdão, Senhor… pelo meu comportamento indevido no trânsito.

Perdão, Senhor… pelas vezes em que julguei a quem eu não deveria (e não tinha o direito) de julgar.

Perdão, Senhor… por todas as vezes em que eu disse não para as pessoas a quem eu deveria ter dito sim.

Perdão, Senhor… pelas vezes em que tive inveja de pessoas mais inteligentes, mais cultas, mais viajadas, mais ricas e mais poderosas do que eu.

Perdão, Senhor… pelas vezes em que faltei com a devida educação e respeito para com minha companheira de mais de 40 anos, para com meus filhos e minha filha, minhas noras, meu genro, meus netinhos queridos, meus sobrinhos e sobrinhas, meu saudoso irmão e minhas irmãs, minha sogra (que é mais mãe do que sogra), meu saudoso sogro, minha saudosa mãe, meu saudoso pai, meus tios e minhas tias, meus saudosos avós… etc.

Perdão, Senhor… pelas gafes que cometi em relação às minhas Amigas e Amigos.

Perdão, Senhor… se não percebi que estava agindo mal para com meus cunhados, cunhadas, primas e primos, afilhados… etc.

Perdão, Senhor… se algum dia eu fui soberbo em relação às pessoas do meu relacionamento.

Perdão, Senhor… pela minha falta de capacidade para tolerar e perdoar os sãopaulinos, palmeirenses, santistas, flamenguistas, vascainos, tricolores e botafoguenses do Rio de Janeiro, colorados, gremistas, cruzeirenses e atleticanos das Minas Gerais e todos os outros pobres coitados que morrem de inveja do meu TIMÃO, bicampeão mundial de futebol profissional 2012.

Perdão, Senhor… pelos meus pecados capitais.

Perdão, Senhor… pelas críticas impensadas e infundadas que fiz a quem quer que seja.

Perdão, Senhor… pelos pedidos que Lhe fiz quando eu deveria estar apenas a agradecer a tudo de bom que Me deste e Me proporcionaste.

Perdão, Senhor… se o pedido que Lhe faço a seguir não tem o menor fundamento, mas, por favor, Senhor, peça aos meus semelhantes que tenham um pouco – um pouquinho que seja – de paciência com este seu filho e saiba, Senhor, que não tem sido fácil para mim conviver com estes milhões de Irmãos que o Senhor Me deste.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968.

24/12/2012 16:57:39 (horário de Verão em Brasília)

Nenhum comentário: