sábado, 19 de abril de 2014

Por quê? (339) – A alegria de morar aqui…


Cláudio Amaral

Morar bem é um privilégio. Um privilégio que poucos podem dizer que têm. E eu sou um deles. Eu, minha Sueli, nossos filhos… Nossos netos, também, por que não?

Vivo dizendo – sim, vivo dizendo, por que não admitir? – que gostaria de viver num apartamento. De preferência, num apê dos menores. Um apê tipo daquele que morei a partir do início de setembro de 1971, quando Sueli e eu nos casamos.

Nosso primeiro apartamento ficava num prédio situado quase no final da Rua Nicolau de Souza Queiroz, na Aclimação. Era minúsculo. Não passava de 40 metros quadrados e nem garagem tinha.

Mas, também, se não tínhamos carro, por que iríamos querer garagem.

Na época – setembro de 1971, repito – eu me deslocava pela manhã até a Rua Major Quedinho, no centro velho de São Paulo, e de lá voltava, tarde da noite, usando os ônibus elétricos da CMTC. Eram os famosos “chifrudos”, assim apelidados porque tinham dois mastros saindo da parte traseira e ligando os motores à rede aérea de energia elétrica.

E a aqueles que perguntavam do meu carro eu respondia: Carro? Para quê eu quero carro, se posso ir e vir com a vantagem de ter motorista – no caso, condutor – particular?

Era muito divertido apreciar a cara de espanto dos meus colegas de reportagens, fossem eles do Estadão, onde eu trabalhava, ou de qualquer outro jornal ou rádio ou televisão. Site, não, porque naquela época não havia Internet.

Da Rua Nicolau de Souza Queiroz a família, que já havia crescido, se mudou para uma moradia própria na Rua Machado de Assis, ainda na Aclimação. E de lá, anos depois, viemos para nossa atual moradia, na Rua Gregório Serrão.

Moramos inicialmente de aluguel, mas logo compramos a casa. Uma moradia ampla, com três pavimentos e acomodações para todos: o casal e os três filhos.

E a aqueles que perguntam pelo meu endereço, explico, invariavelmente: vivo na Aclimação, uma pequena cidade do interior, nas proximidades do centro da maior cidade do País.

Digo isso e por dentro, sem que eles percebam, dou risadas – ou melhor, gargalhadas –, imaginando a inveja que sentem. E hoje, exatamente hoje, dia 19 de abril de 2014, penso que sentiriam – ou sentirão? – inveja maior ainda. Afinal, fui acordado por um passarinho, logo cedo, cedinho.

Meu relógio de cabeceira não marcava nem seis horas da manhã quando tal figurinha se alojou do lado de fora da minha janela e se pôs a cantar. Minha alegria foi indescritível. Nem abrir a janela eu tive coragem. Não queria espantá-lo. Não desejava incomodá-lo.

Horas depois, quando passava das 15h30, terminei a leitura do Estadão do dia, me levantei, afastei a cadeira da mesa da sala e olhei pela janela. E lá estavam dois passarinhos. Haviam se acomodados no muro que separa minha casa do prédio ao lado, o “espigão” construído na esquina das ruas Gregório Serrão e Machado de Assis. Nem me mexi. Nem abri a boca. Agradeci a Deus – mentalmente – pelo privilégio de morar aqui, de estar vivo, com saúde e de poder apreciar o dia maravilhoso que faz hoje.

Por fim, fiz um pedido, desta vez de viva voz: queria que eles, os dois, viessem até a soleira da janela da sala. E, sem medo, até porque sou do Bem e da Paz, viessem cantar prá mim. Do mesmo jeito que um deles, seja lá qual for, cantou pela manhã, na janela do meu quarto.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968, Mestre em Jornalismo para Editores pelo IICS/SP (Turma de 2003) e estudante de História na FMU/Liberdade/SP desde 1º. de fevereiro de 2013.


19/04/2014 16:23:46

Nenhum comentário: