quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Por quê? (128) Cadê o Sol, Santos?


Cláudio Amaral

Pela primeira vez, em uma semana, eu não precisei usar o guarda chuva em Santos.

Nem o velho, que trouxe de São Paulo no meu Honda Fit cor de Ferrari, nem o novo, que comprei numa barraquinha da Rua João Pessoa, nas proximidades do prédio d’A Tribuna.

O velho está na Redação.

O novo, aqui no apartamento 92 do Gonzaga Flat Service.

Ele, o guarda chuva novo, dormiu aberto sobre o Fit, na garagem do Flat, porque estava encharcado, na noite de ontem, 8 de outubro de 2008.

Cheguei a abri-lo na manhã desta quinta-feira, dia 9, ao sair do Fit, no estacionamento da Gráfica A Tribuna.

Logo, entretanto, um motorista e um fotógrafo do jornal me convidaram para entrar no carro da empresa e nele fazer o trajeto até o prédio da Redação.

Um trajeto pequeno, de “exatos 772 passos”, segundo Arminda Augusto, minha mais nova Amiga.

Logo depois do início de minha jornada diária de trabalho na Redação d’A Tribuna, parou de chover e não choveu mais em Santos.

No meio da manhã, fui até o Banco Itaú e voltei a pé.

No começo da tarde, fomos, Mário Evangelista e eu, almoçar no Orgânico e tomar café no Museu da Bolsa do Café.

Ele aproveitou para passar na Caixa e no Banco Itaú.

Tudo a pé.

Tudo sem guarda chuva.

À noite, depois do expediente, caminhei do Flat até a Praça da Independência.

Ida e volta a pé.

Sem guarda chuva.

A previsão do tempo indica que vai fazer Sol no fim de semana, no Litoral Paulista.

Tanto que meu genro, Márcio Gouvêa, minha filha Cláudia e Sueli, minha mulher, estão prometendo vir a Santos no início da noite desta sexta-feira para passar o fim de semana comigo.

Eles virão e trarão Be(bê)atriz, a menininha mais linda e mais fofa do mundo.

Não vejo a hora da chegada deles.

Imagine você, caro e-leitor, a expectativa que me domina nestas horas que antecedem a chegada deles a Santos.

Estamos sem nos ver há dez dias.

De resto, entretanto, é só felicidade.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968, professor e orientador de jovens jornalistas, palestrante e consultor de empresas para assuntos de comunicação institucional até o dia (1º/10/2008) em que entrou na Redação d’A Tribuna de Santos como Editor-Executivo.

9/10/2008 22:56:56

Um comentário:

jr.torres disse...

Que belíssima novidade esta que encontro por aqui. Confesso que não esperava, mas fiquei muitíssimo feliz. Sim, porque como dizia já um texto que ficou ali para trás, é muito difícil a vida que você e eu tentamos levar, e que tantos colegas ainda levam (e sofrem)...
Um enorme abraço, meu Amigo.