quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Por quê? (183) Dois Amigos, dois Irmãos

Cláudio Amaral

Rui Viotti nos deixou há menos de dez dias, no dia 7/9/2009.

Ramão Gomes Portão se foi há mais de 22 anos, no dia 12/3/1987.

Ambos, entretanto, estiveram presentes na minha vida, nesta terça-feira, 15/9/2009.

Primeiro, chegou-me uma mensagem de Sueli Amaral de Novais.

Em seguida veio uma mensagem de Rui Gebara Portão.

As duas me foram enviadas em agradecimento aos textos que escrevi a respeito dos meus Amigos Rui Viotti e Ramão Gomes Portão.

A respeito e em homenagem a eles, que conheci nas minhas andanças jornalísticas pelas ruas de São Paulo.

Assinando Sueli Amaral, a “amiga e ex-funcionária de Rui” (Viotti) me deu um susto, porque a única Sueli Amaral que eu conhecia até então era minha companheira há 40 anos (completados no dia 15 de julho de 2009) e esposa há 38 anos (comemorados no dia 5 de setembro de 2009).

Sueli queria “agradecer a matéria do seu blog sobre este excepcional profissional e acima de tudo excelente pessoa, de caráter reto e íntegro como infelizmente é raro se encontrar hoje em dia”.

E ela escreveu mais: “Tenho a sensação que a forma em que foram feitos homens como ele se perdeu”.

Agradeceu também por eu ter me lembrado de Rui Viotti “de forma tão carinhosa e reconhecida, pois neste país de memória curta tendemos a esquecer os grandes homens e seus grandes feitos”.

Depois de dizer que eu fui “uma boa exceção”, Sueli desabafou: “Minha maior tristeza foi acompanhar o ostracismo e descaso sofrido pelo Rui no final de sua carreira”.

Rui Gebara Portão foi menos contundente, talvez porque o pai, meu Amigo Ramão Gomes Portão, nos deixou há mais tempo: “Foi com imensa satisfação que soube por amigos, após busca pelo Google, (a respeito de) uma matéria redigida por ti, (e publicada) em teu blog, a respeito de meu pai”.

Para o filho de Ramão, que é advogado atuante em São Paulo há dez anos, “depois desses anos todos foi uma matéria clara, sem sensacionalismo, sem pesar no sentimentalismo”.

Rui Gebara Portão nasceu da união de Ramão com Anissa, a quem ele chamava, carinhosamente, de ‘Turca’. Rui tem 34 anos de idade e o irmão mais velho, Rodrigo, que é formado em Propaganda e Marketing, está com 36.

No fim da mensagem, Rui me levou às lágrimas ao escrever: “Grato por todas as palavras e considerações que os anos não apagaram de sua memória”.

Agradecido estou eu, Rui Gebara Portão e Sueli Amaral de Novais.

Estou agradecido a vocês e a Deus, por ter me permitido conhecer e conviver com os jornalistas Ramão Gomes Portão e Rui Viotti.

Dois Amigos.

Dois Irmãos.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968, repórter, editor, professor e orientador de jovens jornalistas, palestrante e consultor de empresas para assuntos de comunicação empresarial e institucional.

16/9/2009 00:28:34

Um comentário:

Paulo R. Queiroz M. disse...

Muito boa a matéria sobre o Ramão Gomes Portão.
Estou colhendo material dele para postar em minha página no Facebook:

https://www.facebook.com/MemoriaDaPoliciaCivilDoEstadoDeSaoPaulo