sexta-feira, 30 de maio de 2008

Por quê? (89) A SP-294, a inoperância e a política


Cláudio Amaral

A Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros só está no estado lastimável que vimos durante a viagem de quarta-feira (21) e sábado (24/5/2008) da semana passada, entre Bauru/Marília/Bauru, porque os políticos da região nunca conseguiram se entender com os governadores do Estado.

De Laudo Natel a José Serra, passando por Paulo Maluf, Paulo Egydio Martins, Franco Montoro, Orestes Quércia, Mário Covas, Geraldo Alckmin e Cláudio Lembo, todos os ocupantes do trono do Palácio dos Bandeirantes jamais tiveram a menor boa vontade para com os usuários da SP-294.

Todos esses governadores, assim como os respectivos secretários dos Transportes, receberam insistentes pedidos de melhorias da pista asfaltica da Ribeiro de Barros por parte de gente de Jaú a Panorama, passando por Bauru, Garça, Marília, Tupã, Lucélia, Adamantina, Tupi Paulista e Dracena, entre outros municípios.

Nenhum deles, entretanto, se interessou pelo problema. Nem mesmo o saudoso engenheiro civil Mário Covas, que foi secretário dos Transportes do governador Franco Montoro.

Apesar da insistência de vereadores, prefeitos e presidentes de entidades que existem para defender os interesses da região, nenhum deles – nenhum! – se dignou a fazer uma recuperação de gente grande na SP-294.

Por quê?.

Basicamente, porque faltou uma questão elementar em políticas públicas: vontade política.

Faltou, também, competência por parte dos políticos e lideranças da região, que jamais se uniram em torno da recuperação da Ribeiro de Barros.

Da recuperação e igualmente da duplicação da principal estrada da nossa região.

Faltou mais, ou melhor dizendo, sobrou inoperância por parte de todos os ocupantes de cargos de comando no órgão que deveria responder pelas estradas – todas as estradas – da região: o DER (Departamento Estradas de Rodagem).

Tenho certeza que a Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros seria outra, caso as lideranças políticas da região tivessem unido forças em torno de um piso asfaltico melhor e de mais pistas na SP-294.

Nunca, entretanto, essas lideranças souberam se impor. Nem no gabinete do secretário dos Transportes, na Avenida do Estado, na zona norte da Capital paulista, e muito menos no gabinete do governador, no Palácio dos Bandeirantes, no bairro do Morumbi, na zona sul de São Paulo.

Se eles tivessem se unido, feito um dossiê que mostrasse a força política e econômica da região, por exemplo, duvido que a Ribeiro de Barros estaria na situação que está, ou seja, cada vez pior e mais perigosa.

Mas, não. Pelo contrario. Toda vez que eles vão a São Paulo ou que trazem governador e secretários à região, o máximo que fazem é bajular, puxar o saco dos donos do poder central do Estado.

Quantas vezes, os prefeitos, vereadores e deputados estaduais e federais da região mostraram a eles, governadores e secretários, a força política e econômica da nossa região?

Se o fizeram, não foi bem feito. Até porque a nossa principal estrada de rodagem está cada vez pior, mais esburacada, com mais desvios e, por conseqüência, mais perigosa.

Só eu sei a tensão que vivi na manhã de quinta-feira, 29/5/2008, quando Sueli (minha mulher), Cláudia (minha filha), Beatriz (minha netinha) e Dirce (mãe do meu genro) fizeram a viagem de volta de Marília, pelo SP-294.

Sei, de longa data, a motorista cuidadosa que é minha filha. Mas tenho consciência, também, do quão perigosa é a Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros.

Foi por isso que só me tranqüilizei quando soube que elas, e o Honda Fit da minha filha, já estavam na Rodovia Castello Branco.

Torci e rezei como nunca para que as quatro passassem sem problema algum pela SP-294.

Assim como torço e rezo para que todos os usuários do trecho Panorama-Jaú façam sempre boas viagens e cheguem bem aos seus destinos.

Torço e rezo também para que nossos políticos e engenheiros do DER criem vergonha na cara e cuidem melhor da Ribeiro de Barros.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caríssimo e-leitor?

30/5/2008 13:34:26

Nenhum comentário: