terça-feira, 19 de agosto de 2008

Por quê? (115) Revendo outros adamantinenses



Cláudio Amaral

O Professor Fernando Chagas Fraga não foi a única pessoa que revi e com quem conversei nesta viagem a Adamantina.

Além dele e do amigo e radialista Jonas Bonassa, o Sabiá, um na segunda-feira à noite e outro na manhã de terça-feira, eu reencontrei, por exemplo, o Claudemir Strabelli (na foto com o filho).

Quem?

O Strabelli, adamantinense que fui conhecer em São Paulo, pelas mãos do Amigo Daniel Pereira, ambos ex-funcionários da Agência Estado.

Claudemir Stravelli se casou em Adamantina com a catarinense Maria Utzig, nascida em Lages.

Sueli e eu estivemos no casamento deles, no dia 11 de julho de 1987. Viemos por eles e também porque eu queria rever Adamantina e mostrar minha cidade para a minha mulher.

Foi a primeira vez que realizei meu sonho de adolescente: me hospedar no Grande Hotel, que já tinha sido rebatizado de Villa Verde.

Não pudemos ficar no melhor apartamento, como eu sonhara. Até porque a suíte principal estava reservada para os noivos, Claudemir e Maria.

Pois bem: na manhã desta terça-feira, 19 de agosto de 2008, 21 anos depois daquele casamento, Strabelli voltou ao Villa Verde. Veio para nos revermos.

Havia me ouvido pelas ondas da Rádio Brasil AM, no programa do Sabiá, segunda-feira à noite.

Sentamos no salão principal do Villa Verde, tomamos água (até porque estava muito quente para o café) e ele começou a me falar da vida. Disse que Maria se foi em outubro de 1995, vítima de uma doença incurável, quando estava gerente numa loja de um dos maiores shopping da Capital paulista; que há 12 anos ele voltou para Adamantina com Francine e Bruno; que a filha tem 19 anos, cursa o segundo ano de Matemática na FAI e secretaria o Padre Nelson Bernardino, pároco da Matriz de Santo Antônio; que o filho está com 17 anos e vai se formar no Colegial Técnico em Informática.

Até 2001, Strabelli teve uma lanchonete, mas passou o negócio em frente e hoje se dedica basicamente à mãe e aos filhos. Gostaria, sim, de voltar para São Paulo, mas prefere a vida tranqüila de Adamantina.

Bom homem, o Strabelli. Um homem com jeito de bom filho, bom pai e, certamente, um bom Amigo.

Foi muito bom rever o Amigo Claudemir Strabelli em Adamantina.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

19/8/2008 18:35:52

Um comentário:

fernando viana disse...

Trabalhei com este cidadão e posso dizer que foi um grande companheiro de Agência Estado. O Strabelli sempre foi um cara trabalhador e responsável, pau prá toda obra, gente muito boa. Infelizmente, a vida acaba afastando os bons companheiros. Fiquei surpreso em revê-lo aqui pelo blog. Caso leia este comentário -e se ainda mantiver contato com ele- transmita-lhe um fortíssimo abraço.
Sds,
Fernando Viana
e-mail: fernando.neto@policiacivil.sp.gov.br