domingo, 14 de agosto de 2011

Por quê? (240) Dia da Família


Cláudio Amaral

Para mim, este segundo domingo de agosto sempre foi o Dia dos Pais.

Mas, para minha surpresa, fiquei sabendo que é mais do que isso. É mais do que Dia dos Pais. É o Dia da Família.

Quem me abriu os olhos – e mais do que isso, a mente – para o Dia da Família foi o Padre Mario.

Padre Mario foi quem celebrou oito das novas missas que acompanhei diariamente na capela do Convento das Irmãs da Visitação, na Rua Dona Ignácia Uchoa, aqui na Vila Mariana, em São Paulo.

Além de Padre Mario, segundo Sueli, Padre Cláudio também chamou esse Dia dos Pais em Dia da Família.

Afinal, tanto Padre Mario quanto Padre Cláudio, são da mesma congregação: a Ordem dos Xaverianos. E ambos são responsáveis pelas celebrações tanto nas Irmãs da Visitação quanto na capela dos Xaverianos, aqui mesmo na Rua Gregório Serrão.

Senti-me sensibilizado ao saber que – mais do que Dia dos Pais – hoje é Dia da Família.

Mesmo porque a família, para mim e para Sueli, tem significado especial. Muito especial.

Tanto que no folheto da missa deste 20º Domingo do Tempo Comum, que trouxe comigo do Convento das Irmãs da Visitação, está publicado: “Vocação para a vida da família”.

Está publicado também: “A salvação é um dom universal que Deus oferece a todos. Nesse sentido, o tema vocacional deste domingo, com destaque para a vida em família, salientando em especial a vocação dos pais, nos mostra a importância da família em todos os povos e culturas. Rezemos, em especial, pela família brasileira, que enfrenta tantos obstáculos na sobrevivência, na segurança e na concepção cultural que lhe é imposta, tirando-lhe a autoridade e banalizando seu papel".

Concordo. Até porque a vida está cada vez mais banal e a família perde a autoridade a cada dia que passa.

Entretanto, eu – ou melhor, minha família – não pode reclamar. Ou não temos do que reclamar.

Tudo tem dado certo – muito certo – para nós. Para Sueli, para mim, para Cláudia, Márcio, Beatriz e Murilo, para Flávio, para Mauro e para Vivian.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968.

14/8/2011 11:38:57

Nenhum comentário: