quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Por quê? (248) Carlos Conde


Cláudio Amaral

Carlos Conde – ou melhor, José Carlos Novoa Conde – é advogado diplomado e jornalista por opção e convicção.

Nascido em Santos a 2 de outubro de 1940, sempre torceu pelo Santos FC, cujo dia a dia acompanhou por anos e anos, em especial na Era Pelé.

Tem uma vantagem a mais: mora junto à Vila Belmiro, a vila mais famosa do mundo. E por isso, nunca perde um jogo do Alvinegro praiano.

Chova ou faça sol, no frio e no calor, lá está Carlos Conde. Em geral, acompanhado de Maria Christina Gomes Saliba, sua companheira inseparável, de Lygia Conde, a filha única e queridíssima, e amigos como Onésio Rodrigues, Luiz Roberto Serrano e Dario Palhares. Mais a prima-irmã Magaly ("somos como irmãos", costuma dizer Conde, que invariavelmente acrescenta: "O marido dela, Antonio de Paula Souza, o Toninho, é corintiano. Contraiu esse vírus na cidade natal, Araraquara, e nunca se livrou dele").

Embora também corintiano desde criancinha, estive ao lado deles sempre que me foi possível.

Ah... Carlos Conde está aposentado, tem idade para ficar em casa na Paz do Senhor, lendo jornais e os livros, que são suas paixões.

Mas está mais ativo do que nunca. Voltou no dia 17 de agosto de 2009 para A Tribuna de Santos, o mais conhecido, mais importante e mais respeitado diário de Santos. E voltou por cima: como Editor-Chefe.

Competente e perfeccionista, mas ao mesmo tempo paciente e astuto, agiu com inteligência rara na volta ao jornal dos Santini. E foi melhorando A Tribuna gradativamente.

Carlos Conde é o profissional certo no lugar certo, pois conhece Santos e a Baixada Santista como poucos.

É uma pessoa que sabe fazer amigos e ser Amigo também como poucos. Amigos que nunca deixam de sê-lo e que ele faz questão de manter – com maestria e inteligência – ao longo da vida.

Conheci Carlos Conde logo que cheguei a São Paulo, vindo de Marília e uma breve passagem por Campinas. Sempre pelo Estadão, na época – início dos anos 1970 – o melhor, mais respeitado e mais temido jornal do País.

Trabalhamos por anos na antiga Redação do 5º andar do prédio de número 28 da Rua Major Quedinho, no centrão da Capital paulista. Eu, porque vinha do Interior, sempre fazia reportagens para a Editoria do Interior, cujo titular por anos foi Carlos Conde.

Tem uma da qual não me esqueço até hoje: o congresso de Tribunais de Contas, que veio a me dar o primeiro prêmio em São Paulo. Por obra e determinação de Carlos Conde, que sempre me deu bons espaços e caprichou nos títulos.

Depois do Interior, em consequência de sua competência, Carlos Conde foi subindo dentro do Estadão, subindo... até chegar a titular da principal editoria do jornal: Nacional.

Dalí, anos depois, foi para Brasília como correspondente diplomático. Nesta função, viajou por 75 países.

Em função de Carlos Conde eu vim a conhecer outros santistas ilustres: Esmeraldo Tarqüinio Filho (advogado e político, filho de um dos maiores políticos de Santos e do Brasil), Osvaldo Martins (que depois foi secretário de Comunicação de Mário Covas, o governador), Ouhydes Fonseca (professor de Jornalismo), Marcos Fonseca (o Marcão), Carlos Monfort (repórter especial da TV Globo, hoje na Globo News) e o saudoso Carlos Manente (que fez escola na TV Tribuna, afiliada em Santos da Rede Globo), entre outros que não me recordo agora. Todos oriundos d’A Tribuna de Santos.

Não por acaso, uma vez que nossa amizade era – e continua a ser – tão grande, Carlos Conde me acompanhou até a porta do ônibus do Expresso de Prata quando embarquei para Marília em função do nascimento daquela menina linda que ele viria a batizar semanas depois, com Maria Ermínia, e que recebeu o nome de Cláudia Márcia do Amaral. A mesma – hoje uma mulher feita – que no dia 19 de agosto de 2011 embarcou com o marido Márcio Gouvêa (transferido da Nextel de São Paulo para a NII de Reston/Virginia/EUA) e os filhos Beatriz (4 anos) e Murilo (1,7 anos) para viver nos Estados Unidos.

Tenho o maior orgulho de ser Compadre e Amigo de Carlos Conde.

Por quê?

Ah... e você ainda pergunta por que, caro e-leitor?

(*) Cláudio Amaral clamaral@uol.com.br é jornalista desde 1º de maio de 1968.

31/8/2011 05:31:35

Nenhum comentário: